Moda infantil
 
Início
Tecnologia
Saúde
Negócios
Variedades
 
Contato
Indique
Incluir Notícia
Sexta-Feira, 06 de Dezembro de 2019
 
É preciso se proteger mesmo em dias nublados. Foto: divulgação
É preciso se proteger mesmo em dias nublados. Foto: divulgação

Vem chegando o verão: estação aumenta exposição ao sol - 02/12/19

Indique - Contato - Compartilhar:


Entre na onda do Dezembro Laranja e previna-se contra o câncer de pele

Além do colorido das festas de fim de ano, Dezembro ganha uma cor especial: o laranja. A coloração remete ao sol e vem para lembrar a importância da proteção contra o câncer de pele. O Brasil é um país tropical com alta taxa de incidência solar ao longo do ano, o que favorece o desenvolvimento da doença.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o tipo não melanoma é o mais frequente no Brasil, representando 30% de todos os tumores malignos registrados no país. Apesar da alta incidência, a boa notícia é que possui grande percentual de cura, se diagnosticado e tratado precocemente. Dentro desse tipo, a doença pode surgir nas células basais (Carcinoma Basocelular – CBC) ou nas escamosas (Carcinoma Espinocelular ou Epidermóide – CEC).

Já o melanoma, que se origina nas células produtoras de melanina, representa 3% das neoplasias e é o tipo mais grave, podendo se espalhar para outros órgãos. Se descoberto no início, as chances de cura são boas.

Segundo a dermatologista do Hospital do Câncer Anchieta, Dra. Letícia Motta, os pacientes com maior risco para desenvolvimento dos tipos não melanomas são os de olhos e pele clara, acima de 40 anos, com histórico de exposição crônica à radiação ultravioleta, portadores de cicatrizes ou inflamações crônica e em contato contínuo com químicos, tais como arsênico e alcatrão.

Sobre os fatores que elevam o risco de melanoma, a médica explica que além da pele clara e a imunossupressão, também relacionadas aos demais tipos, há o histórico familiar e pessoal de melanoma, possuir pintas ou sardas em grande quantidade, antecedentes de queimaduras solares e doenças de defeito no reparo do DNA, como xeroderma pigmentoso.

Quais áreas do corpo são as mais afetadas? “Em relação aos tipos não melanomas, as áreas mais sensíveis são as expostas à luz de forma crônica como face, tórax e antebraços. Quanto ao melanoma, em homens é mais comum no tronco; em mulheres, nas pernas. Apesar de haver áreas mais suscetíveis, devemos lembrar que o melanoma pode surgir em qualquer lugar, incluindo região palmar e plantar, e até mesmo em mucosas e unhas”, explica Dra. Letícia.

Sintomas

De acordo com a dermatologista, os principais sinais de alerta para não melanoma são as feridas que não cicatrizam, lesões que sangram com facilidade ou de crescimento rápido.

As lesões suspeitas de melanoma estão relacionadas a pintas assimétricas, com bordas irregulares e cores diferentes, maiores do que 5 mm e crescimento rápido. “Geralmente são castanhas, mas em casos mais raros podem ser róseas ou cor da pele. Cuidado, pintas novas ou que apresentam mudanças nas características são sinais importantes para procurar um dermatologista”, indica a médica.

Diagnóstico

Geralmente é feito pelo dermatologista, após entrevista e exame físico completo. “Durante a consulta, todas as lesões e pintas são avaliadas com o auxílio do dermatoscópio, aparelho que amplia as lesões, permitindo ao profissional avaliar as características sugestivas de malignidade. Quando ocorre a suspeita, é solicitada a biópsia para concluir o diagnóstico definitivo”, esclarece Dra. Letícia.

Tratamento

Os do tipo não melanoma são tratados por meio da retirada completa. No caso de pacientes que não possam realizar cirurgia, o médico responsável avalia quais são as alternativas disponíveis para o caso. “O paciente que já apresentou um tumor de pele anterior tem maior risco de novas lesões ao longo da vida, por isso, continuar o acompanhamento com o dermatologista é fundamental”, enfatiza a médica.

No caso do melanoma, após ser feito o diagnóstico, é realizado o estadiamento por meio de exames complementares que indicam o grau de evolução da doença. As formas de tratamento variam conforme as características do tumor e seu estado evolutivo: lesões detectadas precocemente são submetidas a retirada com ampliação das margens; nos casos mais avançados, avalia-se o uso de quimioterápicos, radioterapia, imunoterapia ou terapia alvo.

Previna-se!

• Aplique filtro solar de 3 em 3h, diariamente, com fator de proteção de no mínimo 30

• Evite exposição solar em períodos de maior intensidade de radiação (entre 10h e 16h)

• Use proteção física, tais como chapéu e camiseta

• Faça o autoexame periodicamente: examine sua pele à procura de novas manchas ou pintas que possam ter alterado seu aspecto

• Visite um dermatologista a cada 6 meses ou um ano para uma avaliação mais detalhada das pintas

• Em caso de histórico pessoal ou familiar de melanoma, procure o dermatologista para realizar o mapeamento corporal. O objetivo do exame é obter registros periódicos, a cada 3 meses, 6 meses ou 1 ano, a depender das características das pintas, com a finalidade de detectar modificações por vezes discretas, mas importantes para o diagnóstico precoce

• Proteja-se mesmo em dias nublados ou sem exposição direta ao sol



Indique esta notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Nome indicado

E-mails dos indicados (separados por vírgulas)

Mensagem (opcional)

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Entre em Contato com o responsável pela notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Voltar
Envie arquivos
Agenda

Copyright © 2008 JORNOW. Todos os direitos reservados