Moda infantil
 
Início
Tecnologia
Saúde
Negócios
Variedades
 
Contato
Indique
Incluir Notícia
Domingo, 17 de Novembro de 2019
 
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Check Point alerta Google sobre aplicativos falsos usados para espionar ativistas no Egito - 07/10/19

Indique - Contato - Compartilhar:


A Check Point® Software Technologies Ltd. (NASDAQ: CHKP), fornecedor global líder em soluções de cibersegurança, identificou, recentemente, elementos maliciosos anteriormente desconhecidos ou não divulgados pertencentes a uma campanha de ataque direcionado no Egito. Um novo site que a Check Point atribuiu a essa atividade maliciosa revelou que os atacantes estão perseguindo suas vítimas em mais de uma maneira diferente e podem até terem desenvolvido aplicativos móveis para monitorar seus alvos e hospedando-os na Play Store oficial da Google.

Em março de 2019, a Anistia Internacional publicou um relatório em que informa ter descoberto um ataque direcionado contra jornalistas e ativistas de direitos humanos no Egito. As vítimas até receberam um e-mail da Google alertando-as de que atacantes apoiados pelo governo tentaram roubar suas senhas.

Segundo o relatório, os atacantes não confiaram nos métodos tradicionais de phishing ou na execução de um programa nocivo para roubar credenciais, mas utilizaram uma maneira mais disfarçada ou oculta e eficiente para acessar as caixas de entrada das vítimas: uma técnica conhecida como "OAuth Phishing". Ao violar aplicativos de terceiros para serviços populares de correios eletrônicos, como o Gmail ou o Outlook, os atacantes manipularam as vítimas para lhes conceder acesso total aos seus e-mails.

Após a investigação realizada pela Anistia Internacional, a Check Point revelou novos aspectos desse ataque, após o ocorrido contra a sociedade civil do Egito, desde pelo menos 2018.

Sejam páginas de phishing, aplicativos aparentemente legítimos para Outlook e Gmail e aplicativos móveis para rastrear as comunicações ou o local de um dispositivo, é claro que os atacantes estão constantemente criando métodos criativos e versáteis para alcançar as vítimas, espionar suas contas e monitorar suas atividades.

A equipe de pesquisadores da Check Point descobriu uma lista de vítimas que incluía ativistas políticos e sociais escolhidos "a dedo", jornalistas de destaque e membros de organizações sem fins lucrativos no Egito. Isso corresponde aos possíveis alvos políticos do regime egípcio.

As informações coletadas pelos pesquisadores sugeriram que os autores são pessoas que falam o idioma árabe e, mais especificamente, são egípcias. Como o ataque pode ser apoiado pelo governo, significa que é provável ser esta uma operação de vigilância de um país contra seus próprios cidadãos.

Após a notificação da Check Point à Google sobre os aplicativos envolvidos, eles foram retirados rapidamente da Play Store e o desenvolvedor associado foi excluído.



Indique esta notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Nome indicado

E-mails dos indicados (separados por vírgulas)

Mensagem (opcional)

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Entre em Contato com o responsável pela notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Voltar
Envie arquivos
Agenda

Copyright © 2008 JORNOW. Todos os direitos reservados