Moda infantil
 
Início
Tecnologia
Saúde
Negócios
Variedades
 
Contato
Indique
Incluir Notícia
Quarta-Feira, 08 de Abril de 2020
 

ABCF divulga manifesto sobre a situação do controle do Coronavírus no Brasil - 26/03/20

Indique - Contato - Compartilhar:


O documento da Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas foi divulgado no início da noite desta quarta-feira, 25 de março, e reflete a preocupação da entidade com as declarações do presidente brasileiro, alertando para a importância do isolamento social como estratégia fundamental para o controle da pandemia provocada pelo novo Coronavírus. Segue o documento na íntegra:

MANIFESTO PÚBLICO SOBRE A SITUAÇÃO DO CONTROLE DO CORONAVÍRUS NO BRASIL

No último dia 17 de março ocorreu a primeira morte no Brasil causada pelos efeitos da infecção pelo novo Coronavírus (COVID-19). Após uma semana, chegamos no dia de ontem (24 de março) ao total de 47. Esses números se somam aos quase 19.000 casos de mortes no mundo, com mudanças drásticas na distribuição geográfica da doença, que agora, atrás da Itália, tem Espanha como o segundo país com mais mortes. A Organização Mundial de Saúde antecipa a preocupação na expansão da crise, ao dizer que os Estados Unidos podem ser o novo epicentro da doença.

Em meio a esta crise, não há espaço para definições de políticas públicas sem embasamento científico, ou mesmo balizadas por ideologias pessoais ou de grupos específicos no poder. Ir na contramão do que é preconizado pela Organização Mundial da Saúde, e outras entidades de saúde, e ignorar ações efetivas no controle da pandemia empregadas em outras nações no planeta, tais como a orientação do distanciamento social que é estratégia fundamental para o controle da doença, é agir contra os interesses da saúde coletiva no Brasil.

A COVID-19 afeta de crianças a idosos, e aqui no país este último grupo tem sido fortemente afetado, principalmente se apresenta comorbidades. Ao sugerir o chamado “isolamento vertical” em pronunciamento nacional, o Sr. Presidente ignora o processo de infecção e disseminação do vírus, criando um ambiente dúbio que pode acarretar a morte de milhares de cidadãos. Essa estratégia foi adotada inicialmente pelo Reino Unido que voltou atrás e agora adota a quarentena como atitude mais acertada.

Ao mesmo tempo que o Sr. Presidente não parece demonstrar a menor preocupação com este grupo de risco, também negligencia comunidades carentes que já tanto sofrem com o real significado do “isolamento social”.

Também não é momento para apostas. Ao indicar que cloroquina e hidroxicloroquina, chamadas de “remédio da Malária” por parte da população, podem representar a cura para a COVID-19, novamente a ciência é negligenciada. Não há qualquer estudo que confirme a utilidade destes medicamentos para cura, ou mesmo prevenção, desta doença. Os estudos preliminares divulgados fortemente no mundo inteiro só fizeram aumentar o risco da automedicação, e levando a mortes em vários países. Além disso, escancarou a fragilidade do controle de farmácias e drogarias na orientação responsável de pacientes (clientes), o que só amplia a preocupação.

Por fim, ao destinar a Deus o trabalho de cientistas no Brasil, o Sr. Presidente assume que este governo não trabalhará de forma alguma para reforçar a autonomia científica e tecnológica do país, deixando universidades, institutos e empresas de pesquisas abandonadas, com orçamentos limitados para a pesquisa e ensino. Esta posição do Estado pode ser reforçada pela Portaria 34 divulgada pela CAPES em 9/3/2020, em meio à crise pandêmica, que limita ainda mais a disponibilidade de bolsas para pesquisadores no Brasil. Fato este que pode ajudar a piorar mais severamente as condições de laboratórios de pesquisa por todo o país, afetando a formação dos futuros líderes que atuarão nas crises futuras.

Sem a Ciência como base para definição das políticas públicas desse país, vamos ficar à mercê de uma única certeza, o número de mortes vai ser muito maior que o previsto.

Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas, (ABCF
Flavio da Silva Emery, Presidente da ABCF
Diretoria e Conselho da ABCF

Sobre a ABCF
Foi criada em 2003 durante o IV CIFARP - Congresso Internacional de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto-SP, fruto de muitos anos de luta de vários colegas de diferentes instituições de ensino e pesquisa brasileiras.

A entidade reúne 1.786 associados em todo o Brasil, dentre eles profissionais, pesquisadores e estudantes de graduação e de pós-graduação. Na área de Farmácia, é a entidade científica que faz indicação de membros de representantes para os respectivos comitês nas agências de fomento nacional - CNPq e CAPES.

A ABCF é a responsável pela realização do Congresso da ABCF e coorganizadora do CIFARP, tradicional evento em Ribeirão Preto da área de Ciências Farmacêuticas, que ocorre a cada dois anos, reunindo especialistas brasileiros e estrangeiros para discutir e debater o estado da arte em descoberta de fármacos, tecnologia farmacêutica, produtos naturais, assistência farmacêutica, farmácia clínica, toxicologia, análises clínicas, alimentos, e o ensino na área da Farmácia.

A ABCF é presidida por Flavio da Silva Emery, professor associado da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto e do grupo de pesquisa em Química Heterocíclica e Medicinal - QHETEM.



Indique esta notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Nome indicado

E-mails dos indicados (separados por vírgulas)

Mensagem (opcional)

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Entre em Contato com o responsável pela notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Voltar
Envie arquivos
Agenda

Copyright © 2008 JORNOW. Todos os direitos reservados