Início
Tecnologia
Saúde
Negócios
Variedades
 
Contato
Indique
Incluir Notícia
Quarta-Feira, 05 de Agosto de 2020
 

DMRI : falta de consciência sobre a doença e atrasos no tratamento colocam pacientes em risco - 14/01/20

Indique - Contato - Compartilhar:


Um novo estudo descobriu que os profissionais de saúde e o público em geral ainda não têm consciência da forma mais comum de perda de visão central: a degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

O estudo, publicado no BMJ Open Ophthalmology, destaca que os atrasos no diagnóstico de pessoas com doença macular ocorrem devido ao fato de que pacientes e nem todos os profissionais conhecerem o significado dos sintomas. Também revela que muitos pacientes não entendem a urgência de procurar ajuda, o que potencialmente poderia levar a danos permanentes e intratáveis em sua visão. Outras razões para o atraso incluem pacientes com dificuldade em obter consultas e falha profissional no diagnóstico ou ao comunicar o diagnóstico da degeneração macular relacionada à idade durante as consultas iniciais.

O estudo constatou que apenas um terço dos entrevistados conseguiu detectar os sintomas da DMRI, sendo que 64% dos que reconheceram ter um problema com a visão procuraram ajuda de um profissional de saúde imediatamente. A pesquisa revelou que 27% dos pacientes cuja consulta inicial foi adiada por mais de uma semana tinham DMRI úmida tratável, exigindo intervenção urgente para evitar a perda de visão evitável.

Além de reconhecer a necessidade de aumentar a conscientização sobre a doença macular, o estudo também destacou a necessidade de uma melhor sinalização para apoiar os serviços para pessoas afetadas pela doença macular quando diagnosticadas.

A doença macular é a maior causa de perda de visão no Reino Unido. Atualmente, quase 1,5 milhão de pessoas são afetadas e muitas outras estão em risco. À medida que a doença progride, ela pode ter um efeito devastador na vida das pessoas, deixando-as incapazes de dirigir, ler ou ver rostos, mesmo que alguma visão periférica seja mantida. O tratamento da degeneração macular relacionada à idade (DMRI) visa estabilizar a doença e tentar limitar ou impedir o seu avanço. Uma vez controlada a doença, poderá ser utilizada o que restou da retina funcional na região macular, que poderá ser estimulada para recuperação parcial da visão por meio de lentes ópticas de visão subnormal ou de baixa visão. “A perda da visão central (igual ou menor a 20/200 (0,10)) significa cegueira legal e não cegueira total, pois ainda que com certas limitações o portador poderá deambular, se alimentar, fazer higiene pessoal com certa independência. A DMRI é a forma mais comum de doença macular, afetando mais de 600.000 pessoas, geralmente com mais de 50 anos”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

“Há, no entanto, um tratamento para a forma úmida da DMRI, que impede ou retarda a deterioração da visão. Quanto mais cedo o tratamento for administrado, mais visão será preservada. A forma seca da doença geralmente progride mais lentamente que a úmida. No entanto, a DMRI que começa como seca pode se transformar em DMRI úmida e progredirá rapidamente, a menos que seja tratada”, informa o oftalmologista Juan Caballero, que também integra o corpo clínico do IMO.

Os sintomas mais comuns da DMRI incluem alteração ao focalizar linhas retas, como batentes de portas ou postes de luz que parecem distorcidos ou dobrados; deterioração da visão ou visão embaçada; lacunas ou manchas escuras que aparecem na visão.

Pesquisas sobre a DMRI úmida mostram que quanto mais cedo as pessoas são tratadas, maior a chance de o tratamento ser bem-sucedido. Mas este estudo mostra que estão ocorrendo atrasos que podem fazer a diferença entre receber o tratamento imediato que o paciente precisa ou sofrer perda irreversível da visão central.

“As descobertas destacam a necessidade urgente de conscientizar a população sobre os sintomas da doença macular e a necessidade de procurar ajuda urgente de um oftalmologista, o mais rápido possível”, defende Juan Caballero.

O estudo também ilustra que as pessoas não estão sendo totalmente informadas sobre os tratamentos disponíveis para a doença macular, bem como sobre a evolução e a gravidade da mesma. A forma seca da doença também pode evoluir para a úmida e requer tratamento urgente. As pessoas com DMRI precisam saber como monitorar sua condição para detectar problemas futuros a tempo de o tratamento ser eficaz.

“A conscientização sobre a doença macular está aumentando no mundo todo, mas este estudo serve como um lembrete importante de quanto trabalho ainda há por fazer. Precisamos urgentemente continuar a educar o público e os profissionais de saúde sobre a condição, seus sintomas e a necessidade de diagnóstico rápido. Dessa forma, aqueles com DMRI úmida podem ser tratados imediatamente e aqueles com DMRI seca podem ser aconselhados sobre monitoramento e suporte”, defende o oftalmologista Juan Caballero.


CONTATO:
IMO-Instituto de Moléstias Oculares
Fanpage: @imosaudeocular
Instagram:@imosaudeocular
YouTube: http://www.youtube.com/user/imosaudeocular


ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO:
Márcia Wirth
MW- Consultoria de Comunicação & Marketing em Saúde
Site: http://www.marciawirth.com.br
E-mail: faleconosco@marciawirth.com.br
Telefone e whatsapp: (11) 9 9394 3597



Indique esta notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Nome indicado

E-mails dos indicados (separados por vírgulas)

Mensagem (opcional)

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Entre em Contato com o responsável pela notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Voltar
Agenda

Copyright © 2008 JORNOW. Todos os direitos reservados